Perguntas Frequentes

Você tem alguma dúvida?

Este canal é para você se aproximar do Grupo Feneis, enviando seus comentários, críticas, sugestões e dúvidas. Nós teremos o maior prazer em lhe responder.

Além disso, para facilitar o esclarecimento de algumas dúvidas frequentes, sempre que você digitar uma mensagem no campo abaixo logo em breve retornaremos seu contato.

O que o Grupo Feneis não é?

  • Entidade Governamental ou Pública.
  • A mesma coisa que a CBDS, Escola ou Empresa.
  • Apenas um espaço físico para eventos.

Nova Grafia

Uma nova identidade pede uma nova grafia para algumas palavras:

A partir de agora não usamos mais o nome da instituição em caixa alta: FENEIS. A norma ortográfica diz que siglas com mais de três letras são palavras, então o nome da instituição agora será sempre escrita apenas com a primeira letra em maiúsculo e as demais letras em minúsculo, por se tratar do nome de uma instituição.

A regra vale para o corpo do texto. Lembrando que deve ser aplicado tanto em peças gráficas como nas digitais, em documentos, entre outros.

Incorreto: FENEIS
Correto: Feneis

Trabalho não remunerado

O trabalho não remunerado é exercido por voluntários e regulado pela Lei nº. 9608/98, conhecida como Lei do Voluntariado. O trabalho voluntário não gera vínculo empregatício nem obrigação de natureza trabalhista, previdenciária, etc.

O contrato a ser firmado é chamado de termo de adesão. Nele, devem constar a identificação completa da instituição e do voluntário, a natureza e as condições para o serviço, a carga horária, o local de trabalho, o material de apoio e afins. As despesas pagas pelos voluntários no exercícios da sua atividade poderão ser ressarcidas pela instituição, desde que haja autorização anterior desta.

A Diretoria Corporativa, as Diretorias Regionais e os Conselhos Fiscais realizam trabalhos voluntários, ou seja, sem remuneração, conforme rege o estatuto social.

Os Cursos são autorizados pelo Ministério da Educação?

O certificado de conclusão tem validade para fins curriculares e em provas de títulos, como certificado de atualização/aperfeiçoamento, respeitando a carga horária descrita e não podendo ser usado para outros fins. Por isso, destacamos que NÃO é um certificado técnico profissionalizante ou de graduação ou de pós-graduação e não dá direito de assumir responsabilidades técnicas.

Antes de apresentar seu certificado, você deve consultar os regulamentos de cada processo seletivo, concurso ou entrevista para assegurar-se de que certificados emitidos pelo Grupo Feneis serão aceitos. Cada instituição possui suas próprias regras e o Grupo Feneis não se responsabiliza por isto.

Além do certificado digital para download, oferecemos também versão impressa do certificado de conclusão, esta versão possui taxas para produção e envio, que não estão inclusas no valor de inscrição nos cursos, sendo necessário adquirir os certificados impressos separadamente em nosso portal.

Os Cursos Livres oferecidos pela nossa instituições são amparados nos seguintes documentos legais:

  • Lei nº 9.394 – Diretrizes e Bases da Educação Nacional passaram a integrar a Educação Profissional, como Educação Profissional de Nível Básico) caracterizam-se pela modalidade de educação não formal de duração variável, destinada a proporcionar ao trabalhador conhecimentos que lhe permitam profissionalizar-se, qualificar-se e atualizar-se para o trabalho. Não há exigência de escolaridade anterior.
  • Constituição Federal em seu artigo 205, “caput”, prevê que a educação é direito de todos, e será incentivada pela sociedade. O Grupo Feneis age conforme a permissão legal, isto é, com o intuito de incentivo educacional, de acordo com a Constituição Federal em seu artigo 205, que prevê que a educação é direito de todos, e será incentivada pela sociedade, defendida também pelo artigo 206 da nossa Carta Magna, que prevê que o ensino será ministrado com base em alguns princípios e em seu inciso II: “a liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar pensamentos, a arte e o saber”.
  • Decreto Presidencial nº 5.154 de 23 de julho de 2004 e as normas da Resolução CNE nº 04/99 – MEC (art. 7º, § 3º) de 7 de outubro de 1999.

Saiba Mais

Surdo Mudo

O termo “surdo-mudo” é uma generalização errônea. Poucos surdos são, de fato, mudos.

Libras

A Libras, Língua Brasileira de Sinais, é a língua oficial da comunidade surda no Brasil.
A Libras não é uma “linguagem”, ela possui morfologia, sintaxe e semântica próprias.

Quem são os surdos?

São aquelas pessoas que utilizam a comunicação espaço- visual como principal meio de conhecer o mundo, em substituição à audição e à fala. A maioria das pessoas surdas, no contato com outros surdos, desenvolve a Língua de Sinais. Já outros, por viverem isolados ou em locais onde não exista uma comunidade surda, apenas se comunicam por gestos. Existem surdos que por imposição familiar ou opção pessoal preferem utilizar a língua oral (fala).

Deficiência Auditiva

Termo técnico usado na área da saúde e, algumas vezes, em textos legais.
Refere-se a uma perda sensorial auditiva. Não designa o grupo cultural dos surdos.

Como faço para comunicar-me com um surdo?

Os surdos preferem se comunicar através da sua língua natural, no caso a LIBRAS. Se você não conhece a LIBRAS e nunca teve contato com ela, se comunique com ele por escrito. Em se tratando de um evento público, uma palestra, o atendimento em um órgão público esse deverá contar com a presença de profissional intérprete de LIBRAS. Para chamar a atenção do surdos não grite. Apenas toque suavemente em seu ombro ou acenas as mãos no seu campo visual.

A Cultura Surda

Os surdos, pela diferença lingüística, formam comunidades onde compartilham sua cultura, que são os costumes, hábitos, piadas e histórias. Organizam-se em associações, clubes, escolas como espaços de convívio entre seus pares por meios de sua Língua Natural.
Os surdos têm sua cultura expressa através de símbolos, basicamente visuais, cuja maior representação é a Lingua de Sinais.

Dia do Surdo

O dia 26 de setembro foi instituído como o dia do surdo por ser a data de inauguração do INES (Instituto Nacional de Educação de Surdo) em 1857, no Rio de Janeiro , que foi a primeira escola para surdos do Brasil.